Versão OriginalVersão ClássicaMenu
Da redação, com informações do MPMS | segunda, 11 de fevereiro de 2019 - 09h03

Operação Yin-Yang resulta em 48 prisões e apreensões de drogas e celulares

Operação Yin-Yang contou com a participação dos Promotores de Justiça e Policiais do Gaeco
Durante as investigações, verificou-se que os alvos da operação integram a organização criminosa chamada PCC Durante as investigações, verificou-se que os alvos da operação integram a organização criminosa chamada PCC - Foto: Divulgação

O Ministério Público do Estado de Mato Grosso do Sul, por meio do GAECO (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), divulgou na sexta-feira (8), o balanço da Operação Yin-Yang que foi deflagrada na última quinta-feira (7) contra o tráfico de drogas no Estado.

De acordo com o GAECO, foram realizadas 48 prisões, sendo que 10 estavam fora dos presídios e foram efetuadas as prisões e o restante foi preso dentro do próprio sistema prisional. Foram encontrados 31 celulares, sendo que 21 estavam no Presídio de Segurança Máxima da Capital e uma arma de fogo foi apreendida, além de 2.800 maços de cigarro, 59g pasta base, 6,7 gramas de maconha. Todos os mandados de busca foram cumpridos nas cidades de Campo Grande, Dourados, Três Lagoas, Corumbá, Umuarama (PR) e Mossoró (RN).

A Operação Yin-Yang contou com a participação dos Promotores de Justiça e Policiais do GAECO, 125 Agentes Penitenciários, 80 Policiais Militares, 4 membros do grupamento aéreo, encarregados de dar suporte aéreo à operação conforme determinação da SEJUSP, dos Batalhões do CHOQUE e BOPE, da Agência Penitenciária Estadual e do DEPEN. Os mandados foram expedidos pela Juíza da 4ª Vara Criminal de Campo Grande.

Operação Yin-Yang

Durante as investigações, verificou-se que os alvos da operação integram a organização criminosa chamada PCC (o nome da operação faz referência ao símbolo utilizado pela facção) exercendo as mais variadas funções na estrutura criminosa, cuidando, desde a convocação de novos integrantes dentro e fora dos presídios (os chamados "batismos"), como também encarregados da prática dos crimes de tráfico de droga, roubos e homicídios.

Subir ao TopoVoltar
PlataformaSistemas para WebJornalismoVersão OriginalIr para Versão Clássica