Versão OriginalVersão ClássicaMenu
Claúdio Humberto, Diário do Poder | Quarta, 13 de Setembro de 2017 - 04h29

Relator da CPMI da JBS diz que prisão de executivos não esgota investigações

Marin pretende convocar delatores da JBS e o ex-procurador
A escolha de Marun foi articulada pelo Planalto para que a relatoria ficasse com alguém alinhado ao governo

O deputado Carlos Marun (PMDB-MS) afirmou nesta terça-feira, 12, que as prisões dos execuvitos Joesley Batista e Ricardo Saud, da JBS, não esgotam as investigações contra a empresa. Segundo ele, é preciso tratar o acordo de delação premiada "sem medo" na comissão.

"Temos delatores presos, procurador pedindo prisão de procurador. Não podemos fazer vistas grossas a essa situação", afirmou Marun. "Existem atuações controversas de setores da PGR. Tem colega nosso que só de falar em procurador já tem medo. Esse não é o meu caso. Estamos aqui para avançar na verdade doa a quem doer."

A escolha de Marun foi articulada pelo Planalto para que a relatoria ficasse com alguém alinhado ao governo. O deputado é um dos principais integrantes da chamada tropa de choque do presidente Michel Temer no Congresso.

Logo após o anúncio do nome de Marun, o senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES) anunciou que deixaria a CPI. "Esta comissão não pode ser ajuste de contas. Isto deforma o sentido da investigação", disse Ferraço ao justificar a saída.

"A atitude do senador Ferraço é baixa. Ele não me conhece", disse. "É uma atitude de alguém indigno. Acaba não fazendo falta nos trabalhos da CPI", rebateu Marun.

O relator confirmou que pretende convocar na CPI os delatores da empresa de processamento de carnes, além do ex-procurador Marcello Miller, que é suspeito de ter orientado o acordo de delação enquanto ainda atuava na Procuradoria-Geral da República.

Subir ao TopoVoltar
PlataformaSistemas para WebJornalismoVersão OriginalIr para Versão Clássica