Versão OriginalVersão ClássicaMenu
Bruno Funchal

Funchal: não aprovação da PEC fiscal para já não é fim do mundo

Segundo Funchal, a PEC segue entre as prioridades até o fim do ano, mas eventualmente é melhor fazer um debate aprofundado em vez de aprovar algo "às pressas" Agência Estado | quinta, 26 de novembro de 2020 - 16h23
O secretário do Tesouro Nacional, Bruno Funchal O secretário do Tesouro Nacional, Bruno Funchal - (Foto: Agência Brasil)

O secretário do Tesouro Nacional, Bruno Funchal, disse nesta quinta-feira, 26, que a aprovação da PEC emergencial ou do pacto federativo, com medidas para conter o avanço das despesas obrigatórias, é instrumento importante para reduzir a incerteza até 2022. Mas ele ressaltou que uma eventual demora não comprometerá a situação do governo. "A não aprovação da PEC fiscal para já não é o fim do mundo", disse.

Segundo Funchal, a PEC segue entre as prioridades até o fim do ano, mas eventualmente é melhor fazer um debate aprofundado em vez de aprovar algo "às pressas". Essa estratégia não comprometeria, de acordo com o secretário, porque o Tesouro tem condições de assegurar o cumprimento do teto de gastos (regra que limita o avanço das despesas à inflação) até 2023.

No entanto, o secretário ressaltou que o Brasil precisa voltar o quanto antes à normalidade de gastos, dado que o aumento da dívida é muito significativo devido às ações de combate à pandemia. Ele voltou a frisar que o tempo para o ajuste agora ficou mais longo e, por isso, o País tem pouco espaço para novas ações em eventual segunda onda de covid-19.

"O contágio está diminuindo, mas não podemos ignorar que teve um repique. Temos que observar a tendência", observou o secretário.

Funchal ressaltou ainda que o Tesouro está preparado para arcar com os próximos vencimentos da dívida pública. "Nosso planejamento é para não ter problema com nível de dívida", disse.

Veja Também

Mais Lidas

Subir ao Topo Voltar
PlataformaSistemas para WebJornalismoVersão OriginalIr para Versão Clássica