Versão OriginalVersão ClássicaMenu
1ª MULHER

"Quando se sonha algo a gente se adapta e corre atrás", afirma primeira mulher coronel da PM de MS

Rosana Siqueira | quarta, 4 de novembro de 2020 - 10h34

“Quando sonha algo a gente se adapta e corre atrás. As ajudas aparecem para a gente conquistar o que quer”. A frase inspiradora é de Neidy Nunes Barbosa Centurião, a primeira policial mulher a conquistar o mais alto posto da corporação: o de coronel. A promoção foi oficializada em publicação no Diário Oficial do Estado nesta semana. A PMMS conta atualmente com 551 mulheres na ativa e outras 189 na reserva, segundo a Secretaria de Administração e Desburocratização (SAD).  Neidy foi a entrevistada desta quarta-feira (4) no Giro Estadual de Notícias, do Grupo Feitosa de Comunicação e contou um pouco da trajetória até chegar a primeira mulher coronel da PMMS.

Emocionada ela disse que sua vida e carreira foi alicerçada em valores aprendidos no seio familiar. Com 45 anos, Neidy nasceu em Coxim, mas ainda criança se mudou com a família para Costa Rica onde concluiu o ensino médio, para então aos 17 anos entrar para a corporação onde atua há 27. “Estou feliz demais e agradecida. Comecei com 17 anos na Polícia Militar por meio de um concurso publico. Meu pai me emancipou para fazer curso de formação. Tenho muito mais tempo de corporação na polícia do que vida civil”, salientou.

Neidy conta que no início tinha muito medo de polícia. “Eu venho de uma família humilde, morava na beira do Rio Taquari em um rancho de pau a pique coberto de folhas de bacuri e o chão pisado. Hoje a minha condição é diferente”, destaca. Ela lembrou que  o pai sempre dizia que houvesse o que fosse ele ia formar os filhos. “Hoje ele mora em uma fazenda de Costa Rica. Mas quero ir logo vê-lo. Minha mãe está aqui comigo porque faz tratamento de câncer. Nunca pensei em ser policia. Mas quando passei no concurso pensava numa vida melhor assim como muitos PMS que querem melhorar”, enfatizou.

“Sempre tentei pautar minha carreira na educação, no bom atendimento a todos, tanto aos PM´s quanto ao cidadão. Sempre tentei fazer o máximo que pude para honrar tanto minha farda quanto meu Estado. A minha luta de trabalho foi construída, aprendi de família que é trabalhando que a gente vence. É claro que a instituição te ensina muita coisa, te mostra muita coisa, te treina para muita coisa, mas as orientações de berço, elas estão ali arraigadas no meu ser”, descreve. 

Ela fala do orgulho de ter conseguido cumprir seu papel e obter um posto tão alto numa carreira que por muito tempo foi considerada masculina. “É um grande orgulho, e sou grata em ter chegado a coronel por conta de todo trabalho que elas fizeram e que abriu espaço. Com a minha chegada até aqui, pretendo abrir ainda mais espaço para que outras possam também chegar. E claro, sinto uma responsabilidade gigantesca por representá-las”. 

Gratidão

O sentimento de gratidão também se estende a todos os colegas de farda. “Ser a primeira coronel da PMMS é um orgulho imenso. Homens e mulheres me cuidaram, me orientaram, não fui apenas eu que cuidei deles, eles também cuidaram de mim. Gostaria de externar a imensa gratidão que tenho por esses policiais que me ajudaram a chegar até aqui”. 

O desafio de conciliar a família e a carreira também orgulha Neidy que salienta que teve ajuda doi marido militar da reserva e de pessoas que cuidavam os filhos. "Tive a sorte de me casar com um militar meu marido e estamos juntos há 20 anos. Tenho dois filhos lindos", destacou.

A coronel destaca que muitas pessoas ainda têm estigma da Polícia Militar. “Muita gente não gosta da polícia, mas aprendi a amar a corporação. Para mim consegui tudo na minha profissão eu obtive aqui honrando a PM, o Estado e amo muito o que faço”, finalizou dando um recado de empoderamento para as mulheres. “Sonhe alto para conseguir o que quer”.

A entrevista completa você confere no player.

Subir ao TopoVoltar
PlataformaSistemas para WebJornalismoVersão OriginalIr para Versão Clássica